LAMENTO 1508

por culturamarxista

Poema de Mila em homenagem aos lutadores do Egito

protestos_egito_jan2011[3]

Ao engolir, de cada um que sonha
pinga, a conta – gotas, uma gota
a gota de sangue
Morrem os valentes do Egito:
uns deles… muitos… depois, dois anos depois,
tentar… tentar… tentar…
derrubar… derrubar… derrubar… derrubar…
subir…erguer…levantar…tentar…tentar…
Quem pode dizer
que alguns deles poderiam ter sido nossos amigos?
Ou nossos irmãos? Nossos pais?
porém não. Hoje, se trata de fileiras
faixas abordam a palma no peito entrelaçados
múmias da Revolução
Ressussitam-me! Em 2020
A cada matéria morta
a experiência nomeará “primeiros combatentes”
Bem mais além da Mesopotâmia
pioneiros, a questionar, insurrectos, a incivilização
6 tombam a cada 1 faraó
mas nós somos maior!

Não vou dormir,
gritarei, brigarei, chorarei
Não dá mais para acreditar!
Escuto os tiros
que a televisão passa
se alojarem no peito dos meus companheiros

Unir: Atenas, Cairo, Rio
Santiago, Barcelona, París
Contra
Atenas, Cairo, Rio
Santiago, Barcelona, París

Ataque aos representantes da miséria!
Miseráveis de todo o mundo, uni-vos!
Abalem suas riquezas decretando o fim da produção!
desta produção.
Rumo a Terra tremer!
Não sobrará mais pão sem mordida!

até o final,,,
corajosos companheiros
Até o final!

Anúncios