culturaemarxismo

blog do Grupo de Estudos de Cultura e Marxismo na Letras USP

Em Defesa do Direito de Greve dos Trabalhadores Garis: o encontro do Carnaval com sua história

Postamos aqui um texto escrito pelo Juiz do Trabalho e Professor da Faculdade de Direito da USP, Jorge Luiz Souto Maior, sobre as origens do carnaval, sua assimilação pelo Estado Novo varguista e a greve dos garis no Rio de Janeiro.

Em Defesa do Direito de Greve dos Trabalhadores Garis – o encontro do Carnaval com sua história – Por Jorge Luiz Souto Maior

Estudantes e trabalhadores terceirizados da Letras USP em apoio aos garis.

Estudantes e trabalhadores terceirizados da Letras USP em apoio aos garis.

Anúncios

Drummond e a greve dos garis (Conversa com o lixeiro)

Postamos aqui, como uma homenagem à heroica luta dos garis do Rio de Janeiro, que vêm enfrentando o governo, os patrões e seu sindicato vendido, um poema de Carlos Drummond de Andrade muito adequado à situação.

Todo nosso apoio à luta dos garis! Que possa triunfar este exemplo de luta da classe trabalhadora!

 

CONVERSA COM O LIXEIRO
Amigo lixeiro, mais paciência.
Você não pode fazer greve.
Não lhe falaram isto, pela voz
do seu prudente sindicato?
Não sabe que sua pá de lixo
é essencial a segurança nacional?

A lei o diz (decreto-lei que
nem sei se pode assim chamar-se,
em todo caso papel forte,
papel assustador). Tome cuidado,
lixeiro camarada, e pegue a pá,
me remova depressa este monturo
que ofende a minha vista e o meu olfato.

Você já pensou que descalabro,
que injustiça ao nosso status ipanêmico, lebloniano,
sanconrádico,
barramárico,
se as calçadas da Vieira Souto e outras conspícuas
vias de alto coturno continuarem
repletas de pacotes, latões e sacos plásticos
(estes, embora azuis), anunciando
uma outra e feia festa: a da decomposição
mor das coisas do nosso tempo,
orgulhoso de técnica e de cleaning?

Ah, que feio, meu querido,
essa irmanar de ruas, avenidas,
becos, bulevares, vielas e betesgas e tatatá
do nosso Rio tão turístico
e tão compartimentado socialmente,
na mesma chave de perfume intenso
que Lanvin jamais assinaria!

Veja você, meu caro irrefletido:
a Rua Cata-Piolho, em Deus-me-livre,
equiparada à Atlântica Avenida
(ou esta àquela)
por idêntico cheiro e as mesmas moscas
sartrianamente varejando,
os restos tão diversos uns dos outros,
como se até nos restos não houvesse
a diferença que vai do lixo ao luxo!

Há lixo e lixo, meu lixeiro.
O lixo comercial é bem distinto
do lixo residencial, e este, complexo,
oferece os mais vários atrativos
a quem sequer tem lixo a jogar fora.
Ouço falar que tudo se resume
em você ganhar um pouco mais
de mínimos salários.
Ora essa, rapaz: já não lhe basta
ser o confiscável serviçal
a que o Rio confere a alta missão
de sumir com seus podres, contribuindo
para que nossa imagem se redobre
de graças mil sob este céu de anil?

Vamos, aperte mais o cinto,
se o tiver (barbante mesmo serve)
e pense na cidade, nos seus mitos
que cumpre manter asseados e luzidos.

Não me faça mais greve, irmão-lixeiro.
Eu sei que há pouco pão e muita pá,
e nem sempre ou jamais se encontram dólares,
jóias, letras de câmbio e outros milagres
no aterro sanitário.

E daí? Você tem a ginga, o molejo necessários
para tirar de letra um samba caprichado
naqueles comerciais de televisão,
e ganhar com isto o seu cachê
fazendo frente ao torniquete
da inflação.

Pelo que, prezadíssimo lixeiro,
estamos conversados e entendidos:
você já sabe que é essencial
à segurança nacional
e, por que não, à segurança multinacional.

Robocop: Besteirol de Hollywood ou crítica ao militarismo dos EUA?

Por André Bof, publicado originalmente em “Do Transe à Revolta

robocop

 

Estreou na última sexta-feira a refilmagem do clássico de ação e ficção científica, Robocop, que tomou as telas dos cinemas na década de 90, contando a história de Alex Murphy, um policial que, no original, após emboscada de uma gangue, tem quase a totalidade de seu corpo comprometido e fuzilado e é, então, encaminhado para uma “segunda vida” como o policial robótico do futuro, responsável pela segurança das Ruas de Detroit.O filme, patrocinado pela Sony (grande multinacional japonesa), assinado por José Padilha (diretor de Tropa de elite 1 e 2) e tendo em posições chave da produção, mais quatro brasileiros, conta com figuras bastante conhecidas do cinema, como Samuel L. Jackson, Gary Oldman e tem, como todo produto de Hollywood o fim de entreter, com muito tiro, sangue e drama.
No entanto, mesmo esmagado pelas curtas margens da fome de lucro de Hollywood, o filme consegue não se manter preso apenas nisto e, na transição de uma cena a outra, de mudança de cenários, como base de justificativa para reviravoltas no enredo, se afasta da noção de besteirol e entra no trilho de importantes reflexões abertas pela situação mundial e em particular dos EUA, de hoje em dia.

O filme se inicia, numa escura e dramática cena protagonizada por Samuel L Jackson que, no melhor estilo “Brasil Urgente” ou “Cidade alerta”, se apresenta como Novak, o apresentador de um programa conservador de direita, que trata, aparentemente, de um único tema que é a crise de “segurança” que assola a vida dos Norte-americanos, levando, em suas palavras “vidas policiais e de famílias de bem”, no não tão distante ano de 2024.

Nos primeiros minutos, se apresenta o tipo de recurso que vai ser utilizado muitas vezes ao longo do filme, que é o de imagens e cenários curtos e sugestivos.
Novak, discursando sobre a situação de calamidade de segurança nos EUA, apresenta aos telespectadores a alternativa, dada pelos Estados Unidos, para a pretensa “falta de segurança” no mundo. Esta solução é trazida pelo conglomerado industrial chamado Omnicorp, que, na prática, substituiu policiais e soldados por máquinas de guerra  de formato humano, engajadas em “proteger e executar” em distintas partes do mundo, a lei e a ordem.

Neste mesmo noticiário, repórteres correspondentes de Novak estão num dos locais pacificados buscando uma demonstração da efetividade e “tranqüilidade” garantida pelos robôs a população .
O local da ação é Teerã, capital do Irã, que atualmente é alvo de sanções e pressão militar e política dos EUA, por ser uma nação “não alinhada” no oriente-médio e , supostamente, ter iniciado o desenvolvimento de um programa nuclear com fins bélicos.
Aparentemente, este Irã do futuro foi ocupado pelas forças “pacificadoras” dos EUA que, segundo Novak e o General com o qual conversava ao longo do programa, aprenderam com Iraque, Afeganistão e Vietnam, e decidiram dar o passo além com os robôs, a fim de pacificá-lo, sem arriscar vidas norte americanas.

Numa cena que claramente serve como crítica a esta falsa serenidade, se apresenta uma família de iranianos discutindo para que um irmão mais velho não fosse fazer algo, enquanto seu irmão mais novo chora e se agita frente a decisão do irmão.
Com o corte da cena, se apresenta um grupo de jovens, com bombas amarradas no corpo, com o objetivo de, na frente das câmeras, mostrarem os robôs matando-os friamente, com seus sistemas automáticos de defesa. Ao longo da rua, os robôs mais humanóides batem de casa em casa para que os moradores se apresentem,  retirando famílias inteiras para demonstrar sua eficácia.

O grupo de jovens, então, iniciam o ataque e são rapidamente dizimados pelos robôs em frente as câmeras. Nesta cena, o jovem mais novo, ao ver seu irmão e demais sendo mortos, sai de sua casa com uma faca em punho enfrentando um robô de 3 metros que, ao identificar o garoto, o executa friamente. Após esta cena, Novak corta a transmissão, por “razões de segurança” e, ao mesmo tempo, exalta a eficiência e segurança de sua equipe perguntando “porquê, então, em terras americanas não podemos usar estes Robôs?”.

O filme desenvolve uma linha paralela ao drama pessoal de Murphy  que, após investigar um mafioso com relações profundas com policiais dentro de seu distrito, tem seu carro explodido num atentado em Chicago e perde quase todo seu corpo, se tornando, por decisão da família, o projeto Robocop.
Esta linha paralela é a tensão entre o presidente da Omnicorp, a grande responsável pela solução da crise de “segurança” em Teerã, Rio de Janeiro, Congo, e pelas vidas norte-americanas “salvas” e um senador chamado Dreyfus. Ambos estão numa queda de braço pela opinião pública quanto a se a emenda Dreyfus, que proíbe o uso de robôs nos EUA, deve ou não ser vetada.
O presidente da Omnicorp, que, apesar de dominar os mercados de grande parte do mundo, visa os possíveis bilhões em lucros com a conquista do mercado dos EUA, começa a disputa, no filme, perdendo frente aos argumentos de que um robô não poderia decidir sobre a vida ou morte de um humano.

Como solução a esta encruzilhada, percebe que o que a sociedade quer é que haja a mesma eficácia dos robôs, mas com um homem em seu “suposto” comando.
Daí, começam a procurar a candidatos ao projeto Robocop, dirigido por um cientista engajado em projetos de reconstituição robótica de membros, encontrando em Murphy e sua desesperada família os candidatos perfeitos.
Murphy, então, após a pressão da empresa sob sua família, desperta para a vida, novamente, como  Robocop, uma espécie de andróide que combina um corpo em sua maioria robótico, com apenas os sistemas respiratório e cerebral (além do rosto) orgânicos.

Em mais um corte de cena “crítico”, surge Murphy acordando numa espécie de laboratório, dentro do qual começa a ter um surto graças a sua nova condição robótica.
Desnorteado, começa a fugir, correndo rapidamente pelos corredores de uma gigantesca fábrica que vai, corredor após corredor, demonstrando ser um  gigantesco complexo industrial na China, dentro do qual evidencia-se uma enorme linha de montagem, com milhares de chineses em bancadas de produção e de  avental rosa, observando assustados o andróide que, ao pular os muros da fábrica, cai em cima de uma vasta plantação alagada de arroz trabalhada por camponeses, em frente ao complexo defendido por Robôs armados até os dentes.

Claramente uma referência ao banquete que os grandes monopólios capitalistas (como Apple, Samsung, etc) obtém com a baratíssima e super-explorada (e supervigiada) mão de obra operária chinesa que, trabalham em complexos industriais ultra avançados e convivem com a miséria e simplicidade da vida de outros milhões de camponeses no interior chinês.
O filme se desenvolve, então, como uma combinação da trama policial que cruza a vida de Murphy, buscando solucionar o crime que quase o matou, perpetrado por policiais e até uma chefe do seu distrito policial, e o tema político da emenda Dreyfus, que expressa a tensão entre o humano e a máquina.

Numa das partes mais interessantes do filme, talvez, Robocop está em treinamento e competindo com um Robô quanto a eficácia em combate.
Vez após a outra, ele hesita frente a um criminoso que toma uma criança como refém, levando 3 segundos a mais para matá-lo, do que o robô. Isto abre uma crise entre os projetistas que, tendo de mostrar resultados, então, decidem atuar numa operação no cérebro de Robocop, com o objetivo de fazer o programa de computador convergir com a consciência do andróide, dando a ele a falsa impressão de que, enquanto combate, as decisões pragmáticas e frias do programa de computador seriam as suas decisões “pessoais”, como humano.

Impressões distintas são possíveis, no entanto, esta metáfora, no contexto da necessidade de eficácia, “eliminação” do criminoso e de “imposição da ordem”, parece fazer referência a atividade de policiais, segundo a concepção de Padilha que, programados “pelo sistema”, iludem-se quanto a suposta possibilidade de livre-arbítrio, sendo levados a tomar decisões pré-estabelecidas e, muitas vezes, repugnantes, como se fossem suas e se satisfazem com isto.

Esta seria uma retomada de seu argumento em “Tropa de elite 2”, no qual tenta demonstrar, com seu discurso anticorrupção, que, numa estrutura corrupta, que visa privilégios ou lucros, a ação individual e a noção de “livre arbítrio”, de “ser um bom policial”, etc, não teria qualquer chance de desenvolver-se pois se naturalizariam os “atos repugnantes”, sendo necessária uma limpeza desta estrutura, numa visão reformista e evolutiva, tanto das instituições repressivas, como a Polícia, quanto dos sistemas de governo no capitalismo, atrelados desde a medula e seu nascimento aos interesses das grandes corporações, empresas, máfias, etc, para os quais a repressão e polícia é indispensável.
Outra referência ao tema corrupção se dá quando, após descobrir  e prender os policiais e a chefe de polícia que tinham ligações com o mafioso que tentou matá-lo, Robocop é exaltado numa ação cirúrgica para o mercado, como a evolução do sistema, como uma força da lei “incorruptível”, que daria o passo que as máquinas sozinhas e a humanidade não conseguiu, girando a situação para que a emenda Dreyfus fosse revogada e os robôs fossem permitidos no terreno dos EUA.
Esta cena parece demonstrar um argumento do autor de como a direita, os jornais pastelões policiais e os grandes conglomerados capitalistas, podem e efetivamente, usam, temas como a corrupção, para atingirem seus objetivos privados.
Após a emenda Dreyfus ser revogada, o filme entra num ritmo muito mais veloz, com cenas de ação cruzando a tentativa da Omnicorp assassinar e fraudar a morte de Robocop, pois este começa a “fugir de seu propósito” após a investigação dentro da delegacia,  e a tentativa deste em prender o presidente da companhia.

O desenvolvimento da trama, cruzado pelas situações citadas e o jornal sensacionalista de Novak, levam a que este jornal demonstre-se frequentemente atrelado aos interesses da grande companhia Omnicorp e a visão de “segurança” dada pelos EUA ao mundo.

Ao longo do filme, este jornal expressa a tentativa dos grandes monopólios em mudar a maré da opinião pública e garantir a abertura do mercado dos EUA aos robôs, de modo a que a série de manobras que fazem, a manipulação e o discurso acidamente de direita, repressivo, leva, para quem vê o filme, a deslegitimação do programa, como se fosse quase um a sátira ou caricatura da realidade.
É interessante notar que, nas últimas frases do filme, que coincidem com um discurso de L Jackson sobre a segurança e a política dos EUA no mundo, é aonde se condensa e explicita mais claramente um dos objetivos que sutilmente vai cruzando o filme.

Neste discurso, Novak, após xingar aos palavrões e berros no melhor estilo Datena ou Alborghetti, a decisão do presidente em restabelecer a emenda Dreyfus, retomando a proibição de robôs, ironiza os “reclamões” que insinuam que a política dos EUA seriam uma espécie de “agressão imperialista”, devido a utilização de Drones (aviões não tripulados para ataque, em uso hoje no Iraque e Afeganistão)  e robôs e que estes deveriam parar de reclamar.

Numa finalização exaltada, sob o som de trompetes e com a bandeira dos EUA tremulando ao fundo, Novak diz que a “América, ainda é a maior nação do mundo” e merece ser protegida da melhor forma, numa referência a doutrina “messiânica” de um destino “especial” da nação estadunidense, que vigora nas concepções dos grandes capitalistas dirigentes do Governo dos EUA desde o pós 2ª Guerra.
Após os atentados do 11de setembro, inclusive, tal doutrina ganha força se materializando na idéia de que os EUA devem espalhar o “bem” ao redor do mundo, idéia base da “guerra ao terror” e as invasões (por motivos econômicos e geopolíticos) de Iraque, Afeganistão e, agora, de todas as tensões com Irã, Coréia do Norte e das intervenções na Líbia.
Não se trata de um filme revolucionário, muito menos, sob as margens estreitas dos rios de dólares hollywodianos, consegue impor que este supere definitivamente os traços de besteirol com suas balas e sangue. Isto tudo existe, mas de longe, não é o que predomina na narrativa.

O filme tem o mérito de, aos milhões, insinuar e colocar questões que tratam de temas cruciais mundialmente, que surgem com a decadência da hegemonia e dominação dos EUA no mundo. Após a Guerra do Iraque e Afeganistão, ficaram claros os custos políticos e humanos de uma ação imperialista visando a dominação econômica e política, sobretudo numa região turbulenta como o oriente médio. A crítica, sutil, desta ação está presente no filme.

A possibilidade de desenvolver-se uma crítica, por sutil que seja, por dentro de uma das maiores indústrias da nação imperialista, apesar de enfraquecida, mais forte do mundo, expressa, também, uma insatisfação interna da opinião pública, uma correlação de forças dentro dos EUA que com sua insatisfação crescente com as conclusões militares da doutrina “messiânica”, não apenas foi um elemento de pressão (combinado com a crise econômica e o rombo de gastos com as guerras) que levou a retirada parcial das tropas do Iraque, como se demonstrou um barril de pólvora que Obama decidiu não acender, quando da tentativa do governo em impor uma intervenção na Síria.

A ridicularização, no programa de Novak, de que fariam agressões“ imperialistas” , na verdade, é a conclusão de toda uma construção sutil, que vai se desenvolvendo no filme e expressa um tema que aparece em diversas outros filmes, como, inclusive, o novo Superman, quando o homem de aço é vigiado pelo pentágono por um drone e o destrói, dizendo que “ Porquê me vigiam? Eu sou um americano”, ao que é respondido por um militar com um “precisamos ficar de olho”, numa referência, tanto a ação assassina dos Drones, quanto a espionagem militar e política desenfreada desenvolvida pelos EUA, dentro e fora de suas fronteiras.

Conceitos básicos de marxismo – divisão social do trabalho; existência e consciência.

Fruto das discussões feitas no dia 26/02 no grupo, decidimos em nossas próximas reuniões prosseguir na discussões levantadas pelo texto de Terry Eagleton, mantendo-o como bibliografia básica.

Como bibliografia adicional, disponibilizamos aqui trechos de Marx e Engels acerca de dois conceitos fundamentais do marxismo que surgiram no debate: a divisão social do trabalho e a relação entre consciência e existência material.

A Divisão Social do Trabalho

Concepção materialista da história da cultura

Devido ao carnaval, nossas próximas reuniões ocorrerão no dia 12/03, às 12h e às 18h, em alguma sala do primeiro corredor do prédio de Letras da USP. Todos são bem vindos!

Duas críticas ao filme “Azul é a cor mais quente”

Abaixo compartilhamos duas críticas ao filme “Azul é a cor mais quente”, que esperamos que possam contribuir para o debate!

AZUL É A COR MAIS HETERONORMATIVA – Por Pardal

É O AZUL QUE INCENDEIA – Por Adriano

Azul

Primeiros encontros em 2014 – 26/02 – manhã e noite

Após a realização do painel “Olhando a literatura a partir da vida – o materialismo dialético” durante a calourada da Letras, o Grupo de Estudos de Cultura e Marxismo irá dar início a seus encontros de 2014 a partir da semana que vem.

Iniciaremos o ano discutindo novamente o texto que foi o primeiro a estudarmos no grupo, em 2011, que pode ser baixado no link abaixo:

Terry Eagleton – O que é literatura?

Os encontros ocorrerão na quarta-feira (26/02), às 12h e 18h. Nos encontraremos em frente ao prédio da Letras USP e então procuraremos alguma sala livre. Todos estão convidados a se juntar a nós para pensar a cultura de uma perspectiva transformadora, a serviço da classe trabalhadora e da emancipação humana! 

Encontro na reitoria – Democratização da universidade, intelectualidade e socialismo (30-10

Em nosso último encontro seguimos o debate sobre o caráter da Universidade na sociedade de classes a sua crise, no ponto de vista da burguesia. No próximo encontro, seguiremos discutindo a necessidade, o programa e a estratégia para democratizar a Universidade. Entraremos em discussões sobre a esquerda e suas divergências. Também daremos início à uma dicussão sobre a relação entre os intelectuais (trabalhadores cerebrais) e o socialismo, com base no texto “Intelligentsia e Socialismo”, de Trottsky (tradução de Daniel Puglia). Os textos estão abaixo:

Reflexões sobre a crise da Universidade e o Movimento Estudantil. Estudantes e trabalhadores: uma aliança estratégica

intelligenstia e socialismo

O encontro será na quarta, 14h, na reitoria ocupada.